terça-feira, 1 de maio de 2012

Crítica - Os Vingadores

Por Carlos Maia


              De começo pode-se dizer que Vingadores é melhor que a maioria dos filmes da Marvel lançados recentemente. Cumpre bem seu papel como um bom produto de entretenimento e o diretor não caiu na tentação de oferecer um filme repleto de explosões e tiros do início ao fim e apresenta ao público, de forma competente, cada personagem da trama, que vai evoluindo até a batalha final. Os fãs mais ortodoxos podem reclamar de alguns detalhes no visual dos personagens e uniformes, mas tudo é bem justificado no filme e não faria sentido, por exemplo, o Thor lutar usando um capacete ou o Gavião estar de máscara já que todos sabem quem ele é. O público em geral nãoi vai se importar até porque alguns heróis não são tão conhecidos. Robert  Downey jr (Homem de Ferro/Tony Stark) rouba a cena toda vez que aparece assim como Hulk digital, que é imbatível nas sequencias de ação. Samuel L. Jackson convence com seu Nick Fury que mesmo não tendo super poderes se porta com dignidade diante dos outros heróis e fala com eles de igual para igual. Vingadores não tem a o peso dramático dos filmes  dos X-Man e também não é tão descompromissado quanto os dois do Quarteto Fantástico. Por incrível que pareça, em um universo tão fantasioso, os personagens mais inverossímeis acabam sendo a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro, que não possuem poderes. Tire suas próprias conclusões ao ver o longa. O Hulk poderia ter mais espaço na trama, pois toda vez que surge se destaca dos outros personagens, mas talvez por isso mesmo tenha sido bem dosadas as suas aparições. Apesar do tom militarista e assumidamente belicoso da trama isso não chega a comprometer a obra, que no fundo é apenas diversão de boa qualidade. Só uma dúvida fica: Por que os vilões, com tantos lugares pelo mundo, escolhem justamente Nova York para ser atacada? 

Um comentário:

  1. Ótima crítica, Carlos, dá o recado na medida certa! Virei fã. Um abraço, S.

    ResponderExcluir

Mundo Maia no facebook