sexta-feira, 17 de maio de 2013

Somos Tão Jovens

              O grande destaque das cinebiografias costumam ficar por conta dos protagonistas. Foi assim com Ray, O Último Rei da Escócia, A Dama de Ferro, Cazuza - O Tempo Não Para e tantas outras. Como primeiro longa de ficção baseado na vida de um dos maiores nomes do rock nacional não foi diferente: o jovem ator Thiago Mendonça, que já foi visto em Dois Filhos de Francisco e Tropa de Elite (o primeiro) defende bem seu Renato Russo tanto na caracterização como na interpretação. Somos Tão Jovens consegue fugir do que seria mais óbvio em um filme sobre Renato Russo: nada de uma figura messiânica, enigmática, frases de efeito e reflexivas. O grande acerto da direção foi o de abordar um período mais leve da vida do líder da Legião Urbana, o que pegou de surpresa quem esperava assistir a um filme melancólico e sofrido. O filme até consegue arrancar risadas do espectador em alguns momentos. Para os fãs mais atentos é bacana ver várias figuras importantes do rock nacional ainda com os sonhos e expectativas da juventude. É importante que as novas gerações assistam para verem como era possível reunir a turma, trocar idéias e se divertir sem celulares, tabletes e redes sociais. Para aqueles um pouco mais velhos fica aquela nostalgia de um tempo em que acreditávamos que realmente era possível mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem? De qualquer modo, não foi um tempo perdido.


2 comentários:

  1. Os filmes leves são muito bem vindos, Carlos! Já estou de olho em "Somos Tão Jovens". O que seria necessário para nos despertar do marasmo atual?

    ResponderExcluir
  2. Bacana, Nego Maia! Super concordo!
    abração
    Bruno Morais

    ResponderExcluir

Mundo Maia no facebook