domingo, 18 de setembro de 2016

Um poeta Urbano

Ele é de Realengo, do Batan, do fumacê, Zona Oeste, Zona Norte. do Rio de Janeiro, do Brasil, do mundo! Já lançou seus livros na Bienal de São Paulo,  Bienal do Rio de Janeiro (onde já está confirmado para o ano que vem), Feira literária de Rezende, diversas feiras por escolas,  Bienal de Minas Gerais, Feira Literária de Volta Redonda, entre outras...  Esse Bruno Silva, o Bruno Black, poeta, com cinco livros publicados e que anda agitando a Zona Oeste promovendo diverso saraus com um único objetivo: Celebrar a arte! 

Bruno Black esteve na abertura do Circuito Itinerante de Poesia nos Bairros Cariocas no dia 10 de Setembro, onde deu uma bela entrevista para o Mundo Maia. Confira um pouco da trajetória desse jovem, que é espelho para muita gente! SE TENS UM DOM, SEJA!


O primeiro contato com a arte

      "Eu não sabia que seria poeta; sabia que a arte estava na minha vida, mas não tinha ideia da forma." Bruno sempre teve inclinação para a as artes e sentia que através dela expressaria seu estar no mundo. Em 1995 foi convidado por um amigo para escrever poesia - coisa que ele achou "um saco."  Depois fui desenvolvendo o gosto pelo poema e meu amigo desistiu e eu continuei. Em 1999 tomei a decisão de me assumir como poeta," conta Bruno. Ele sentia as palavras criarem vida dentro dele e daí vinha a necessidade de colocar no papel. 

Bruno Black lê seu poema na abertura do Circuito Itinerante de Poesia

A relação com a cidade

"Sou um poeta urbano, mas um urbano consciente!" E para ele essa consciência vem do fato de saber que  a natureza tem que estar presente, assim como questões cotidianas que passam desde a violência até os silêncios. Tudo serve de inspiração para Bruno: "Eu sou o que eu vivo, eu escrevo o que eu vivo,"  nos diz. Em um certo momento, Bruno, que é morador de comunidade percebeu que as pessoas não valorizavam muito suas potencialidades. Isso virou uma inquietação, até que durante a finalização do seu segundo livro, num bate papo com os editores e disse: "Se tens um dom, seja!" Bruno não havia se dado conta, mas ali surgiu aquele que se tornou o seu lema e que vem inspirando muita gente.

Bruno Black com o prêmio personalidade do ano em São Paulo


Viver da arte
"Apesar de tantos eventos, não dá pra viver disso, mas por outro lado o feijão e arroz eu já consigo garantir com meus livros," nos fala Bruno, que segundo sua análise,  o poeta ainda não tem uma veia empreendedora: "Eles até vão pra rua vender seus poemas, mas já tem uma nova geração sabendo produzir, e eu sou dessa geração. Meu novo projeto, para o ano que vem já foi em parte pago, graças ao livro Poético; e a partir deste livro me tornei consultor; as pessoas querem lançar livros e me pedem consultoria."
Bruno afirma, que ainda não vive apenas de arte, mas está no caminho certo para que isso se concretize: "Meu dom tem feito eu descobrir todos os dias novas potencialidades".

    

Para aqueles que sonham trilhar um caminho parecido com  o seu, ele tem o recado: "Não importa o que te digam: Aprenda a abrir portas e mover ciclos!" Esse é o Bruno Black.









5 comentários:

  1. Sensacional, Bruno! Pode fazer a parte II que sei que tem muito mais pra contar!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado,Thais!Feliz por seu comentário!

    ResponderExcluir
  3. Orgulhosa por você ser assim e assumir como eis e fazer a diferença. Se teu lema é: Se tens um dom, seja - eu completo: siga um caminho de luz, que parece encantar (techo de uma de nossas músicas) Seja feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acima: Vera Alves - Fada Pérola Lis

      Excluir
    2. Que lindo!! YANG... Eu descobri meu caminho e a luta tem sido diária!

      Muito obrigado por seu comentário!

      Excluir

Mundo Maia no facebook