quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Os Cavaleiros do Zodíaco - A Lenda do Santuário - crítica

           Uma grande surpresa numa tarde de terça feira foi ver o cinema lotado para ver o longa dos defensores da deusa Athena. E a maior parte do público não era formado por crianças, mas pessoas na casa dos vinte e poucos e trinta anos que certamente assistiram a saga de Seiya e seus amigos na extinta TV Manchete. Talvez este seja o grande problema do filme, pois o público o assiste na expectativa de ver o mesmo produto que foi exibido na televisão. Os Cavaleiros do Zodíaco - A lenda do Santuário não é uma obra perfeita, mas oferece bons momentos de entretenimento, sem contar a qualidade do gráfico, o design das armaduras, os cenários (as doze casas são um show a parte). O tempo é curto para desenvolver todos os personagens e aqueles que se destacam são  mesmo o cavaleiro de Pégasus e a Saori. Alguns cavaleiros passam como coadjuvantes ou mesmo figurantes de luxo - o que certamente irritará os fãs mais aguerridos. É bom lembrar que no Japão a série foi exibida há quase 30 anos atrás e mesmo aqui no Brasil já se vão duas décadas de sua estreia e é inevitável que se tente adaptar o que foi sucesso no passado para uma nova geração. Aqueles que não estão familiarizados com a série terão dificuldades em saber se o Afrodite de Peixes é um homem ou uma mulher de tão rápido que ele aparece. Se não levarmos em conta a série e nos determos apenas no filme uma pergunta inevitável surge: Por que não lutar antes com cavaleiros de prata? Eles exitem? Por que ir direto para os cavaleiros de ouro? É nítido o esforço de fazer a história ficar mais moldada ao ocidente com inserção de personagens femininos para ficar politicamente correto, o visual dos personagens com tranças, pircings, um cavaleiro de ouro meio "afeminado" e cômico para amenizar os momentos de tensão. Uma outra pergunta que se faz: Cadê a população da cidade nas cenas que acontecem em locais urbanos? Cadê a população do santuário - que só aparece no fim? Também é visível que as alterações nas famosas armaduras são feitas apenas para vender mais produtos (qual a funcionalidade das máscaras?) Mesmo assim vale a pena ver os cavaleiros de Athena na tela grande nem que seja para ver o show dado pela dublagem brasileira - praticamente a mesma da série exibida por aqui há vinte anos atrás. 

Ps: Os mais atentos irão perceber referências a outra saga dos cavaleiros. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mundo Maia no facebook